30 de set de 2018

PRECISAMOS FALAR SOBRE SKAM


Uma vez um professor entrou na minha sala de aula e perguntou quais filmes ou séries nós assistíamos que não eram americanas ou da Europa que tinham o idioma inglês. E acabamos percebendo que quase ninguém assistia nada que não saísse da rodinha Estados Unidos - Londres. O que é meio triste.

Dizendo isso, digo que esse post terá duas utilidades á você que está lendo: conhecerá uma série muito boa, e uma série muito boa da Noruega (país esse que eu nunca tinha visto nada de audiovisual antes). Pensando assim, no futuro, posso tentar ir atrás e procurar séries e filmes em nacionalidades bem diferentes para apresentar. Mas vamos ao ponto desse post: SKAM foi uma das melhores séries que assisti no ano passado.

SKAM (na tradução livre, significa vergonha), é uma série de televisão norueguesa que retrata o cotidiano de um grupo de adolescentes em que algum momento, suas vidas se cruzam. A história se passa mais precisamente em Oslo, e a série é produzida pela NRK P3, que é membro da emissora NRK.

A criadora da série se chama Julie Andem, que é produtora, roteirista e diretora de televisão norueguesa. E é ela quem recebe a admiração dos fãs por conta de tratar de tantos assuntos persistentes ao jovens de uma forma tão sincera da qual vemos em SKAM.


A série é incrível. É como se infiltrar na vida de um grupo de amigos e ver as situações que eles passam diariamente. SKAM é uma série sobre personagens. Assim Greys Anatomy é uma série sobre medicina, ou como Breaking Bad é uma série sobre produção e tráfico de drogas, SKAM é uma série de personagens.

Cada temporada tem como foco um personagem em específico. Na primeira temporada, a principal é a Eva Kviig, da qual namora o Jonas e parece estar deslocada na escola em que estuda. Procurando se enturmar, ela acaba indo em uma festa e acaba conhecendo Noora, Chris e Vilde, as integrantes do Girl Squad da série. Na escola, ela revê essas meninas e conhece também a Sana. Isso acontece enquanto elas tentam começar a organizar um Russ Bus, que é uma tradição norueguesa que consiste em: ter um ônibus e fazer uma série de festas com ele, no último ano da escola. É como um ritual de passagem muito importante lá. Tanto que eles fazem de tudo para poder ter o dinheiro para isso acontecer, e, de certa forma, a série tem isso como gancho para reunir as meninas. E para mim, que não fazia ideia disso, quando assisti pela primeira vez fiquei me perguntando o que era isso. (Agora você já sabe!).

A série ter como um de seus pontos positivos a discussão de assuntos como virgindade, sexo e relacionamentos, tratados de forma real. Entende? E não como uma mega questão que certas novelas teens tratam. A série é meio que real: jovens falam e fazem sexo! E não tem jeito melhor de poder falar e mostrar isso do que a série faz.


A segunda temporada tem Noora Saetre como personagem principal, e posso dizer, sem dúvidas, que ela é garota mais cativante de toda a série. Você se interessa e se envolve por quem ela é. Ícone feminista da série, a garota acaba defendendo uma da amigas de um cara que a tratou mal. Cena essa que roda o Facebook, de tão lindo que o pisão foi. E quem vê a série, fica meio chocadinho com a reviravolta que essa história toma nessa parte da história. Essa temporada também gira em torno de um casal, mas mais do que isso, em torno de assuntos muito importantes como a amizade das meninas e fala sobre abuso sexual.

Isak Valtersen é o personagem principal da terceira temporada, e essa ganha disparado como temporada favorita dos fãs. Isso, porque é uma das temporadas que você mais se envolve com o personagem e as mudanças que ocorrem com ele durante a série. Isak é um tipo de personagem que você entende e vive o que está acontecendo na vida dele naquele momento, se pode se dizer isso. Ele está se descobrindo, e como podemos ter uma ideia, nessa fase, tudo é muito confuso. Discussões como preconceito, homossexualidade e empatia pesam na reflexão dessa temporada.

A quarta, e última, tem a Sana como principal, e essa é a minha temporada favorita. Sana Bakkoush é uma garota muçulmana que vive em um país onde sua religião não é muito entendida ou amada. Ela lida com muitos pré conceitos que as pessoas tem a cerca de si. De longe, ela é a mulher mais forte de todo o Girl Squad, e a mais ácida também. Ela seria a mal humorada do grupinho de amigos. Mas, de fato, é com ela que se aprende mais sobre a vida na série.


Acho a temporada dela a melhor que é porque descasca a personagem e a conhece um pouco mais.  Conhece o que há além do hijab que ela veste sobre a cabeça. E é a parte da série que meio que se completa o que toda a obra quis dizer: pessoas precisam de pessoas. E a última cena é linda. A série inteira ela exala que empatia é muito importante. E eu faço a resenha de uma forma muito suspeita, porque eu amo essa série.

Eu amo a forma como ela leva os jovens a sério. Eu amo a forma como ela trata esses problemas visto como bobos pelos adultos, como problemas de pesos reais. E ás vezes nós precisamos disso, que alguém sente, nos ouça e leve nosso "drama a sério". Eu acho importante ligar a televisão (ou o computador) e se sentir representado, sabe? Eu tenho essa necessidade e eu fico muito feliz por SKAM existir.  Além de que assuntos muito importantes foram abordados, e alguns apenas comentados infelizmente: depressão, distúrbio bipolar, distúrbios alimentares, sexualidade, virgindade, drogas, religião, empatia, preconceito, relacionamentos abusivos e tantos outros assuntos que não lembrar todos. E posso dizer que foram tratados com o cuidado e respeito que deve ser tratados.

E uma das coisas mais belas da série é a sororidade entre as cinco meninas principais. Como elas colocam a amizade delas em primeiro lugar e fazem de tudo para estarem seguras e confortáveis entre si, e se defendem, mesmo quando a amizade delas ainda não está tão solidificada. É meio que uma forma elas dizerem "estamos uma pelas outras, sendo mulheres e sendo amigas".

Falando de uma forma mais técnica: a série é muito bem feita. O roteiro é muito bem escrito! Sei que diálogos são muito difíceis de serem elaborados, e nesse caso, a naturalidade das conversas é admirável. A fotografia de SKAM é maravilhosa e dá uma sensação de estar ali, com todos eles.

E também temos slow motion... Temos um certo personagem chamado William (se fala Willhaim, e eu amo a forma como eles falam os nomes), que é o galã da série. E, em quaquer momento que ele aparece, o modo slow é ativado e ele anda em câmera lenta com o cabelo voando ao vento. O tanto que o efeito é usado com ele e seu grupinho podia ser zoado, mas de tanto que é usado, se tornou a marca da série. Porque se toca uma música meio sexy (tipo The Weeknd) e as meninas meio que olham todas para um lado, você já sabe que Wiiliam vai entrar em câmera lenta. Fazer o quê, tu se acostuma e curte.

As festas também são um ponto muito importante da série: tem muitas e todas parecem ser incríveis. Cheia de gente bonita, bebida e músicas boas. E, claro, um dos pontos mais importantes da série: a trilha sonora. Tem desde Baby, do Justin Bieber, até The Hills do The Weeknd. E não para por aí: Lana Del Rey, Skrilex, Selena Gomez, xxx são alguns dos artistas presentes. O que é incrível. Além de você acabar adicionando na própria playlist algumas músicas norueguesas (Fy Faen é muito boa, ouçam!). Parece que algum jovenzinho selecionou as músicas. E ter tantas músicas populares foi meio que o que fez com que a série fosse cancelada.

O que se sabe, ou o que se especula, é o seguinte: SKAM foi publicidada no site da emissora NRK, na Noruega. Portanto, todos os direitos dessas músicas populares (o que deve ter sido muito caro) foram pagos para reprodução na Noruega, apenas. Acontece que, a série viralizou. Ela se popularizou no mundo todo (pirataria e tals) e por conta disso, essa emissora estaria, de certa forma, descumprindo com o que foi combinado com as músicas. Afinal, eles pagaram o valor referente á reprodução na Noruega e não no mundo todo. Se eles continuassem a série, eles teriam que pagar o direito de todas as músicas referente aos lugares onde a série estava sendo exibida e isso seria inviável dado ao orçamento que eles tinham.

Então, a série foi cancelada. E seus direitos foram vendidos para diversas versões pelo mundo: americana (escrita pela mesma roteirista da original, Julie), italiana, alemã, francesa e xxx. Por enquanto, os fãs preferem a alemã. E eu amaria (produzir) ver a versão brasileira da série. Sério, as festas seriam muito boas. E essa venda de direitos meio que prova o intuito da série: retratar o jovem de forma fiel, e agora a realidade dos jovens em diferentes partes do mundo.

Eu não vi as outras versões até então. E lamento demais a série ter sido cancelada. Temporadas com personagens com a Vilde, Even, a Chris, Eskild e outros, poderia ter aberto para reflexões dos mais diferentes tipos. Mas não deixem o fato dela ter sido cancelada tirar a vontade de vê-la porque ela terminou sem pontas muito soltas. Pode ter hoje muitas versões, mas é aquilo, nada vai superar a original. E só mais uma coisa: a língua norueguesa é estranhamente gostosa de se ouvir. E, talvez, você fique chamando o nome dos personagens e algumas palavras em voz alta pela casa.


Essa foi a resenha de SKAM. Apenas assistam. Se o primeiro episódio não convencer, veja mais dois. É uma série maravilhosa de se ver e ficar com o coração quentinho. Uma série que fala da vida de forma simples em um tempo que a gente fica muito admirado com explosões no cinema. Uma série que parece que foi feita por um grupo de amigos que está no final da faculdade de audiovisual, de tão jovem que ela consegue ser. Uma série que não parece que tem câmera, e sim que você se infiltra e está ali no ambiente com eles. Uma série necessária para o jovem pensar "caraio, eu também sou gente".

E para terminar, uma frase que Noora deixa grudadinha na sua cabeça: "Todo mundo que você conhece está lutando uma batalha da qual você não sabe nada sobre. Seja gentil. Sempre."

2 de set de 2018

ALGUMAS PRIMAVERAS DEPOIS...


... Eu voltei. Estou escrevendo isso em Agosto, sem saber se isso mesmo será postado algum dia, mas se vocês leram isso, eu voltei. E, cara, que viagem! O último post desse blog foi sobre uma fanfic lida no Wattpad que eu gostei muito de ler, por conta de sua simplicidade, ali nas férias de 2015. Estamos em 2018. Nesses três anos, eu terminei um curso técnico, me formei do ensino médio e entrei na universidade. Até agora a ficha não caiu.

"Faz mais de um ano que eu não apareço aqui nem para dar um oi. Eu sei, dei mancada, mas me desculpem. Nesse tempo, alguns de vocês vieram me procurar perguntando se tudo havia acabado e eu sempre ficava meio que sem resposta pra essa pergunta. Não é que que tudo havia acabado, é que eu não sabia por onde recomeçar. E pra mim, a organização de algo novo sempre foi meio complicado. E sentar em frente ao computador e escrever aqui, novamente, era quase como algo novo, depois de tanto tempo sem nada. 

Me formei do ensino médio no final de 2016 e também do meu curso técnico em Multimídia. E agora estou num impasse, sem saber se vou conseguir uma universidade ou se vou para o cursinho. Qualquer um dos dois não iria ser algo ruim, aliás, eu estou tão perdida nisso de 'começo da vida adulta' que a única coisa que quero fazer agora é acordar cedo, pegar minha coberta e ir pra sala ver TV Globinho... Quem nem existe mais. Dramas á parte, venho aqui fazer o que sempre gostei de fazer com esse blog, compartilhar o que gosto.

Desse tempo pra cá, muita coisa mudou. Escrever aqui sempre foi um pouquinho complicado por conta de vergonha, e não saber muito o que falar. Mas se tem um coisa que eu sei, é que eu quero falar, e vou fazer isso, para quem quiser ouvir.

Vivo uma nova vida desde o último post, a resenha. Me afastei de alguns amigos, conheci novos, desconheci outros, vivi mil e uma coisas novas, conheci uma pessoinha um tanto especial, me aproximei novamente de amigos que eu não quero viver sem, e outras coisas aí. 

E também vivi algo inédito, que eu gostaria que fosse algo desconhecido para sempre para mim. Perdi alguém próximo. Digo perda, porque toda vez que lembro dela meus olhos se enchem de lágrimas com arrependimentos de um último abraço que não foi dado. Mas não sei onde ela está e como está, mas sei que está bem. Minha se foi e aprendi a tão repetida lição: não deixa pra amanhã o que pode ser feito hoje. Nunca. Por favor. Porque além de você se lembrar do sorriso dela que era lindo, assim como a sua risada, você lembra do que você deixou para lá. E arrependimento não é bicho fácil de se lidar. Mas, de algum modo, a felicidade de ter tido ela em minha vida me deixa bem." 

E, entre muitas indecisões, e coisas incertas, eu consegui passar na faculdade! Estou estudando Rádio e TV. E entre uma constante crise existencial, eu estou gostando.

Nesse post, eu queria dizer o quão louca a vida é, e o quanto ela muda, de uma hora para outra. Num dia você decide fazer um curso técnico, no outro dia você passa e conhece pessoas que fazem seu dia valer a pena. Num dia você tá lá de boas, alguém te chama para o cinema, e mal sabe você, mas acaba de conhecer o cara que vai dar cor á sua vida. Num dia você tá lá de boas, se aproxima de umas duas pessoas, e acaba tendo dois amigos que te deixam bem sempre que podem. Num dia, você resolve se mexer e quando vai ver, é líder de um movimento que você acredita. E assim vai.

A gente não percebe, mas a vida é tão lenta e tão rápida ao mesmo tempo. Não faz nem um ano, e eu estava pensando sobre como fazer para conseguir nota para a prova de matemática, e hoje eu me pergunto como ter dinheiro para as xerox e as coxinhas na faculdade. E isso é muito loco.

Descobri que, talvez, sua sala do terceirão não seja assim tão épico quando você imaginou (ou só a minha não foi né), e nem a formatura. Vi que pessoas eu discriminava demais, eram legais demais, e eu que era a idiota que não via isso. Vi também que, a pressão do vestibular tira a paz de qualquer adolescente. E pode causar ataques de ansiedade tão desnecessários! Não deveria ser assim, a pressão não deveria ser assim. Mas é. E, está tudo bem fazer cursinho, ou ainda não saber o que quer. Em qualquer idade.

Para quem sabe o que quer, quer correr atrás e não sabe como, existe cursinhos, como o Maximize, que tem mensalidades acessíveis e é de boa qualidade. Para quem não tá podendo pagar, existem cursinhos comunitários de bairros ou próprios de universidades. Procure saber se na sua vizinhança existe algum, ou então entre nos sites das faculdades para ver. Sei que a USP tem, em suas diferentes escolas, se informe pelo site ou pelos telefones.

E sobre a universidade: eu criei expectativa demais. E tô tentando lidar com isso. Entre algumas muitas dúvidas eu vou levando e vendo se é isso mesmo ou não. E assim vai.

E tudo isso que tu acabou de ler foi escrito em 2017. Estou em 2018, e não publiquei essa postagem ainda. Amadureci demais de lá pra cá, e minha vontade de produzir conteúdo apenas aumentou. Escrevo isso para dizer que estou de volta e algumas coisinhas vão mudar por aqui. E, claro, para melhor!

Estejam preparados para posts de resenhas de filmes gostosinhos de se assistir, assim como livros e fanfics. Mas também para aqueles que nos fazem pensar. Preparados para conhecer música boa, e principalmente, nacional. E mais tudo o que eu achar essencial passar para frente.

E eu não me importo se escrevo para duas ou mil pessoas. Eu só quero escrever. E espero que tu aí que está lendo, esteja disposto a ler. E se tu tiver um blog também, melhor ainda! Vamos nos conectar.

Enfim, bem vindos, de novo!

19 de fev de 2016

RESENHA - FANFIC: BLUE CUP CAFE






Vocês já ouviram falar do Wattpad, certo? Para quem não sabe, é uma plataforma para a postagem de estórias - podendo ser fanfic ou não. Baixei no meu celular há pouco tempo e estava a procura de alguma fanfic que pudesse me prender. Já que faz tempo que não leio uma estória que me faça ficar completamente focada. Até que encontrei uma que me arrancou curtos suspiros.

Blue Cup Cafe foi uma fanfic que chamou minha atenção no Wattpad pelo simples fato da capa dela ser um amor, confesso. Faço curso de multimídia, ainda estou aprendendo muuuita coisa, mas o design já me chama a atenção. Assim que abri a estória, vi que era uma série de contos, por capítulo, escritos por Aurora, uma funcionária do Blue Cup Cafe que tem a observação e a escrita como prazeres da vida. 

Eu precisava exatamente de uma fanfic que não fosse tão longa e que contasse uma história leve, daquelas gostosas de se ler tomando leite com chocolate, ou café. Na verdade, eu a li toda, no último domingo das minhas férias, quando saia da piscina do clube, aonde eu passava o dia. E confesso que sinto falta dos pequenos contos que compõe a estória.

Aurora trabalha como balconista de um café, daqueles aonde seu nome é anotado no copo, sabe? E tem a mania de observação. A cada novo cliente, surge um novo conto em seu caderninho abarrotado de estórias. O curioso é que muito se sabe sobre os clientes e pouco se sabe sobre Aurora, que quase não fala de si mesmas, em suas próprias palavras. E, de conto em conto, você consegue mergulhar em pequenas historinhas que te fazem um pouco mais feliz naquele dia. 

A escrita de Shaneoli (seu user no wattpad) é encantadora. Te prende a cada pequena frase. Te faz querer mais a cada parágrafo. E quando você vê, a última página de seu livro já chegou. É tão leve que não se sente as páginas virarem. Eu não sei explicar. Só sei que Blue Cup Cafe me inspirou demais para desenterrar um velho projeto.

Existe mais as fanfic "Cup Of Tea" que é um pouco sobre a estória de Aurora, e estou lendo no momento. Tudo se passa em apenas uma semana, mas estou gostando muito e recomendo. Tem também "Tequila Shots" que é sobre uma das clientes do Blue Cup Cafe, mas ainda não comecei a ver.


Enfim, vocês encontram o livro no Wattpas e, por favor, vão ler. Mesmo que não faça muito seu estilo, dê uma chance, como eu dei, e se encante. Fiquem bem e até mais. 

16 de fev de 2016

Projeto #52filmsbywoman

Olá, pessoal! Pois bem, esse é meu primeiro post no blog, e eu quero muito agradecer a Babi pela oportunidade de vir falar sobre uma coisa que eu sou apaixonada aqui. Meu nome é Maria Laura e vamos falar de cinema, a nossa sétima arte. Apresentações feitas, eu gostaria de partir para algo que creio ser muito bom para um início. Um projeto com uma iniciativa muito legal, com muita coisa boa pra ser vivenciada.

O Projeto #52filmsbywoman (52 Filmes Feitos por Mulheres) foi lançado pela organização Woman in Film and Television, em Los Angeles (LA, babes! Onde mais seria?), com o intuito de aumentar a visibilidade da mulher no cinema. Principalmente por trás das câmeras.

Como seria isso?
Bem, o projeto tem como roteiro assistir um filme (ou mais) por semana dirigido por uma mulher, tendo 52 no total.

Eu realmente adoraria que vocês entrassem comigo de cabeça nesse projeto. Imagine quantas produções maravilhosas estamos perdendo por simplesmente não termos conhecimento do filme. Existem muitas mulheres no mundo do cinema, a única coisa que as diferencia dos homens é a visibilidade. Então vamos trabalhar nisso para vermos muito mais as mulheres estampando seus nomes em grandes produções.

Como prova do projeto, toda semana farei uma resenha sobre o(s) filme(s) visto(s) na semana com todas informações necessárias para pesquisarem sobre a diretora e debater sobre ele.

Acho que até aí estamos indo bem. Peço desculpas por qualquer erro, e até o próximo post!


Nos acompanhe nas Redes Sociais


4 de fev de 2016

Um Filme sobre Simplicidade




Para quem acompanha esse blog, sabe faz tempo que não há nenhuma atualização por aqui. E a verdade é que eu estava sem tempo e fiquei desmotivada. Só me perguntei se realmente valia a pena esse pequeno projeto, e as minhas conclusões foram duvidosas. Até que algo aconteceu e eu entendi porque deveria voltar.

Passei minhas madrugadas das férias vendo filmes e séries na Netflix. E no último domingo, eu vi o filme "Esperar para Sempre" em minhas sugestões. E faz tempo que ele ficava ali esperando para eu assisti-lo. Eu até já sabia sua capa de cor. Fui lá e dei play. 



Filme: Esperar para Sempre
Título Original: Waiting for Forever
Duração: 1h34 minutos
Diretor: James Keach
País: Estados Unidos
Atores Prinpais: Rachel Bilson, Tom Sturridge
Tem no Netflix!

Will e Emma era amigos de infância muito próximos, mas a amizade teve fim quando os pais do garoto sofreram um acidente e ele teve que mudar-se para a casa dos tios. O contato foi perdido. Ela seguiu em frente. E ele, com ela em sua mente e coração, jamais a esqueceu. Quando Emma volta á cidade onde eles passaram a infância, ele vai atrás dela, disposto a fazer o que for necessário para tê-la de volta novamente.

Sabe aqueles filmes que você assiste ele todo com um pequeno aperto no peito? Esperar para Sempre foi esse tipo de história para mim. Porque além do enredo bonito da história, quem me conquistou a primeira vista, foi Will, o personagem principal. O jeitinho dele é diferente de qualquer um que eu já tenha visto. Anda por aí de pijamas, anda para lá e para cá de carona, não tem lugar fixo, viaja pelo mundo atrás de seu amor, vive da sua arte... Um típico estudante de humanas. Mas, sério, é impossível não gostar dele.

Eu amo filmes que começam com reflexões. E Esperar para Sempre é neste estilo. Ele começa com Will contando sobre o acontecimento que mudou sua vida para sempre: o acidente de seus pais. "Se me perguntar, há um momento na vida de todo em que você esta desamparado de esperança e confiança. E então algo acontece, algo grande demais para entender. E então, tudo muda, para sempre." E então imagens começam a pipocar e você quão amável a amizade entre ele e Emma era, antes dele se afastar. Uma música embala a cena e o filme aparenta ter um tom leve. Mas engana um pouco, porque passei o filme com lágrimas esperando para cair a qualquer momento. 

O problema principal do filme é que ele ama alguém que nem sabe de seu amor. Mas mesmo assim ele viaja para onde for só para vê-la de longe. Emma, é o nome da garota que o tem desde pequeno. Ela foi a pessoa que disse á Will que tudo ficaria bem, que ele sempre seria amado, logo após dele perder seus pais em um acidente de trem. E, desde então, ele mantém essa ideia com ele. Mesmo que tente, ele não conseguir ir até ela e dizer um simples "olá". Seus amigos o encorajam, dizendo que tudo daria certo. E finalmente, Will consegue ir até Emma e se apresentar. Eles se lembram da infância e passam o dia juntos. E contar o que vem depois disso é dar spoiler. 


Seu irmão, Jim Donner, acha que toda essa "fixação" por Emma é consequência de algum problema psicológico, porque para ele, não é "normal". Jim é o "irmão bem sucedido", tem uma casa, carro, bom emprego, uma esposa, dois filhos e Will não tem nada disso. Ele, na verdade, não se importa com isso, mas Jim parece não entender o que seu irmão quer da vida.

E é nesse ponto que eu penso que "Esperar para Sempre" é sobre simplicidade. Porque enquanto Jim pensa que a vida perfeita é a que tem, Will não pensa a mesma coisa. Apesar de amar alguém que não o ama de volta, ele é feliz com sua vida e o pouco que tem. Ele é mágico e ganha dinheiro com isso, fazendo pessoas sorrirem. Não tem lugar fixo e viaja para lá e para cá. Quando seu irmão pergunta onde esta seu carro, Will responde que o vendeu, já que era meio desconfortável sair com ele e ter que colocá-lo sempre em algum lugar. Andar a pé era melhor, sentia-se mais livre. 

E, assim, pelo menos para mim, ele aparentava ser feliz. Will ama de graça e não acha extremamente necessário que seu amor também o ame. Ele ama sem querer nada em troca. "Cartas de amor ruins imploram pelo amor de volta. Cartas de amor boas não pedem nada." E isso me levou a pensar que talvez amar com expectativas de ter reciprocidade, é ser egoísta. Um amiga me disse isso um dia, e agora entendi o que ela quis dizer. Mas ainda não sei amar como Will. 

O filme me prende desde o começo porque o amor de Will por Emma me deixa curiosa para saber se eles ficariam juntos, ou se pelo menos trocariam uma só palavra. Me surpreendo com o que acontece entre os dois, e fico com um sorriso no rosto durante toda a volta em lembranças que os dois tem em certa noite. E então é aquilo, quando ele te prende dessa forma, você começa a fazer perguntas, como: Eles vão ficar juntos? Will vai largar sua ilusão? Will vai comprar a vida que seu irmão lhe vende como perfeita? Emma vai dar uma chance ao amor do garoto? E querendo responder cada pergunta e muitas outras, assisto até o final. 


Waiting for Forever foi feito para aqueles de alma de humanas. Entende? Os de exatas podem ficar com um pulga atrás da orelha ao ver Will feliz em ser palhaço pelas ruas. Podem até apoiar Jim, o irmão. Mas como disse, acho que não tem como não gostar de Will. E acho isso um ponto muito positivo do filme. Gostei da forma como o personagem foi construído, e do jeito Peter Pan dele. Por que, de alguma forma, perder os pais na infância o fez não querer crescer. Como se preservasse a época quando eles ainda eram vivos. Quando ele ainda os esperava aparecer com o carro na esquina da sua casa. Infelizmente, ele teve que esperar eternamente por esse momento.

O que faltou ao filme foi aprofundar um pouco mais a história da Emma, e dos outros personagens um pouco mais. Ela era uma "estrela de Hollywood" mas não parecia ser. Foi mais como um detalhe adicional na sinopse do filme, porque isso não alterou em nada a estória. Alguns acontecimentos pareciam ser um pouco aleatórios no filme, mas não afetou muito o todo. Porque de qualquer forma, o tempo vendo o filme não pareceu passar. O vi num domingo de madrugada, com um recém-aprendido chocolate quente, minha coberta e sei que vou revelo em algum outro dia como esse.



E também tem o pequeno detalhe de que: perseguir uma mulher a todo canto que ela vai não faz de Will uma espécie de stalker? Talvez. Mas quando você conhece o personagem, consegue ver que ele não faria mal algum a uma mosca. Porém o filme pode ter romantizado um pouco esse caso, mas prefiro não pensar assim. O bom é que tudo terminou bem... Ou não. Não sei. Vai ter que assistir! Para quem tem Netflix, é mais um motivo para assisti-lo, já que Esperar para Sempre esta no catálogo. Eu dei cinco estrelas. 

Eu poderia classificar esse filme de qualquer outro nome, mas escolhi "Simplicidade" porque foi esse traço da estória que ficou mais evidente para mim. E resolvi marcá-lo dessa forma. O filme também, de alguma forma, me fez querer voltar com o blog. Acho que foi porque eu realmente amei o filme e precisava contar para alguém. E então lembrei do quanto eu gostava de resenhar coisas que gosto aqui para vocês lerem. Pois então, voltei! E espero que eu não suma uma outra vez. Gosto de escrever aqui mas sempre aparece algo para me fazer desacreditar nisso, mas dessa vez, acho que vai!

Muito obrigada a todos que continuaram visitando o blog mesmo com a minha ausência. Ele esta de volta, e com novidades! Não se esqueçam de curtir a Página no Facebook do Coisas do Tipo. Temos quase 800 curtidas! Enfim, é isso. Fiquem bem e até mais. 

Nos acompanhe nas Redes Sociais


7 de set de 2015

Resenha: Anjos & Demônios

Foto: Divulgação


Hey! Tudo ok com vocês? Eu estou com meu coração partido porque sinto que nunca mais vou ler um livro no estilo de Anjos e Demônios. Sério, o enredo do livro faz muita falta na minha vida. Como disse no post anterior, eu sou mega curiosa e amo essas coisas que são sobre o passado da humanidade, e os segredos que tudo isso esconde. E o livro supre todas essas minhas pequenas paixões. O tema central são os Illuminattis! Preciso dizer mais alguma coisa? Vamos a resenha. 

Anjos e Demônios conta a história de Robert Langdon, um professor de Simbologia de Harvard, que é chamado pelo CERN (Organização Europeia de Pesquisa Nuclear)  com urgência por um simples fax: a imagem de um peito humano marcado a fogo com a palavra "Iluminatti". E como se não bastasse isso ser suficientemente estranho, Robert percebe que a palavra marcada é um perfeito ambigrama, ou seja, uma palavra que vista ao contrária continua sendo legível. E então ele recorda a lendas das sete marcas Illuminattis, e diz a si mesmo que aquilo é impossível. "Mas os Illuminattis estão mortos faz séculos". E então, Langdon acaba se aprofundando mais na história daquela marca e vê que o buraco é bem mais embaixo.

O livro é simplesmente genial. Eu precisava começar a resenha dizendo isso. Mas claro que, Dan Brown é um escritor comercial, e os temas polêmicos são abordados com o intuito de causar e vender. Mas como disse o Bubarim: "Ah se todos os escritores comerciais fossem como ele!". Porque mesmo assim, Brown não deixa de ser genial. Ele mistura ficção e realidade de uma forma que você acaba acreditando nas mentiras do ficção da estória por causa da lógica perfeita que ele usa com seus personagens e com o enredo de cada livro. 

Quando estava escrevendo essa resenha, tentei fazer um resumo sem spoiler do livro mas perderia a graça toda do livro. Porque o incrível da estória e de toda a narrativa é que a cada capítulo você tem uma nova surpresa. Ele te dá perguntas, dá respostas, dá suposições e então você não quer nunca mais largar os livros. E falando nisso, os capítulos são muito curtos e acho que a forma com que Dan construiu cada capítulo é bem interessante, porque eles são rápidos e por serem rápidos, tem muitos e cada um tem uma surpresa diferente e então você vê que o livro, em momento algum, cai naquela monotomia. Sabe? E também a história toda do livro se passou em apenas um dia! Como ele conseguiu uma história dessas narrando apenas um dia? 




É um livro com MUITA informação. Você tem, praticamente, uma aula de história a cada explicação de Robert Langdon pelos lugares que eles passam pelo Vaticano. E eu simplesmente amei isso. Ele conta a história da Igreja Católica, as tradições, sobre a arquitetura das igrejas, sobre as obras e Igrejas feitas por tal pessoa, em tal época, e porque daquilo... É, praticamente, uma aula de história. E é maravilhoso ler. Claro que, nem tudo ali é verdade, mas a base dele são os fatos reais. Até minha professora de história gosta dos seus livros, mas também diz que é sempre bom fazer uma pequena pesquisa antes de confiar fielmente nas palavras de Dan Brown.

De forma alguma o livro é cansativo, ele apenas te faz querer mais e mais. Quando comecei a ler não tinha muito tempo, e olha que eu comprei na Páscoa, e então eu fui terminar de ler nesse último mês e não larguei o livro. Sério, eu perdia a estação do metrô que eu tinha que descer porque estava lendo. E fazia tempo que um livro me prendia dessa forma. 

Tem curiosidade de saber quem foram os "verdadeiros" Illuminattis? Então o livro é pra você. Vivo lendo teorias conspiratórias e quando li o livro, vi que os Iluminattis de "antigamente", ou seja, a origem deles, é muito diferente do que essas teorias dizem. Só uma coisinha: no passado, essa sociedade secreta foi feita para cientistas discutirem ciência sem a Igreja os caçarem. Ou seja, eram ateus. E se eram ateus, como podiam ser satânicos? Como dizem as teorias por aí. Fiquei abismada quando descobri.

E então existe a Igreja da Iluminação, suposto lugar aonde a anti-matéria estaria, e até chegar lá, teria os quatro marcos, denominados O Caminho da Iluminação, onde cada um dos preferitti seriam mortos, e marcados á fogo pelos Iluminattis. E com isso, Robert e Vittoria Vetra, tentam encontrar essa caminho secreto antes da sociedade secreta matarem os tais homens indefesos. E a lógica de qual caminho que deve ser seguido, qual pista seguir, onde esta cada marco... É incrível. 

Filme X Livro 



Essa é uma das únicas, ou a única, em que eu digo: veja o filme antes. Porque o filme, sem ligação com o livro, é muito bom. O enredo dele, os atores, os lugares aonde são filmados, o ritmo do filme, as reviravoltas, as cenas... São muito boas. É um filme aonde você assiste sem tirar os olhos da tela. Eu realmente indico.

Poreeeeeeem, se for para falar da fidelidade ao livro, chega quase a ser um Percy Jackson. Sim, MUITA coisa é mudada. E eu realmente não sei o porque. Talvez porque as pessoas que iriam ler o livro depois do filme veriam elementos diferentes e mais completos do que o filme mostrou, e então não teria um queda de interesse no livro. Não sei. Mas mesmo assim, não consegui odiar o filme. 

Personagens são cortados, e são aqueles que fazem diferença no destino da estória! Cenas são mudadas. Muita estória por trás de personagens são ocultadas e que são geniais! Não deveriam ser cortadas de forma alguma. E acho que o final foi a parte mais modificada e ocultada de todo o livro, ou então, da história da modificação de livro x filme. Porque toda a explicação por trás, e a maior reviravolta do livro, esta nas últimas páginas. Um reviravolta do tipo que você sente pena do vilão! E esse vilão... Nunca ninguém desconfiaria de como tudo é arquitetado. 



Li o livro quando já tinha visto o filme, e fiquei "Meu Deus! Então foi nesse momento que tal coisa aconteceu...". Foi como se eu visse a história de um novo ponto de vista. E mesmo sabendo a história toda, o livro ainda me surpreendeu demais. Me passou muita emoção. O suspense criado é incrível, e você morre de angustia ao ver que o tempo esta acabando. Genial. O livro e o filme tem os mesmos clímax, o mesmo desfecho, mas a forma é diferente. Até porque acho que seria muito difícil e até sem noção fazer o livro fielmente. Porque muitas coisas no livro deixam a desejar no quesito: o mundo todo vê isso, e fica tudo por isso mesmo? Vocês vão saber do que eu estou falando quando lerem.

Falei demais, haha! Bom, finalizando... Leia! Foi um livro que quebrou um grande tabu interno meu. Por causa que os personagens e o enredo gira em torno de religião X ciência, e a forma como o autor mostra que isso não tem que haver uma rivalidade entre esses dois pólos, é incrível. Eu realmente vou levar as palavras de Leonardo Vetra para a minha vida. Porque é do modo dele que eu enxergo o universo. Como ele vê isso? Contar aqui tira toda a graça! Mas a filosofia usada é incrível. 

"Não perguntei se acredita no que o homem diz sobre Deus. Perguntei se acredita em Deus. (...)
Quando se deita sob as estrelas, não sente a presença do divino? Não sente em seu íntimo que está diante da obra de Deus?"

Não sei mais o que dizer. Sério. Apenas leiam, hahaha. Entrou na minha lista de livros favoritos e espero que entre também na sua. A próxima resenha é da Jessie e de um livro brasileiro. Quer saber qual? Presta atenção que pela semana ela sai. 

Até logo. 
Nos acompanhe nas Redes Sociais

31 de ago de 2015

3 Canais Sobre Curiosidades



Hey! Tudo Ok com vocês? Depois de muito tempo sem post, eu estou de volta. Acontece que passei no curso técnico, estou cursando Multimídia e também sem tempo para nada. Me desculpem.

Sou uma pessoa mega curiosa, e amo quando conheço alguém, ou um site, ou blog, ou canal onde eu posso ficar sabendo dessas curiosidades que desconhecemos. Acho que a maioria de vocês curte aquelas páginas "Fatos Desconhecidos" e tals, e elas são interessantes por causa disso, revelar pra gente que nem sabíamos, e esclarecer dúvidas que ficam com a gente por muito tempo. Como: O que é a Área 51? E sobre os episódios censurados e cortados de seus desenhos e séries favoritos? Como é a Deep Web? Os canais a seguir respondem essas perguntas e muitas mais que você nem tinha pensando antes.

1. Você Sabia? 



"Se você é um fodinha, deixa logo o seu joinha. Yeeeah!". Meio óbvio que o Você Sabia? estaria nesse post. É um dos melhores, senão, o melhor. Primeiro que o conteúdo é bem aleatório, muito informativo e bem explicado. Segundo que os 'apresentadores' são mega carismáticos e engraçados. Diferente do Fatos Desconhecidos, eles aparecem nas explicações do vídeo, o que faz com que a gente crie uma empatia com eles. 

Fiquei sabendo muito sobre a Deep Web com eles (olha meu lado curioso apitando), sobre suposições sobre o planeta Terra, sobre desenhos animados, sobre esses viajantes do tempo, sobre a Área 51, sobre a Cicara 5501, OAK Island, Krakatoa... Não sabe o que é alguma dessas coisas? Corre pra fazer maratona dos vídeos do canal hahaha.

É um canal que faz você amar o Daniel e o Lukas pelo carisma que eles tem, e só por isso, e não apenas pelas curiosidades, você quer ficar horas e horas vendo um vídeo atrás do outro.

2. Fatos Desconhecidos



Eu ficava horaaas na página do Fatos Desconhecidos, no facebook, lendo e relendo curiosidades que eu nem sabia que existia. E como boa curiosa, eu adorava. Conheci o canal deles a muuuito pouco tempo, mas eu já me viciei nos vídeos. O bom de canais assim é que você não consegue parar e ver apenas um. São no mínino uns 5, porque os títulos te arrastam para clicar o play. "Como seria a Terra sem humanos", "A Inteligência Artificial pode dominar o mundo?", "O que aconteceria se fôssemos jogados no espaço?".... Todos esses (e muito mais) são títulos que me interessam e me prendem muito. Amo saber dessas coisas, principalmente quando envolve a ciência, religião, mitos, lendas e tudo mais. 

O legal é que mitos, lendas e perguntas que nunca te foram respondidas recebem respostas por meio desses vídeos, e também, como já disse, coisas que você nem imaginava que podiam existir, existem, e foi pela sua curiosidade nesses canais que você acabou descobrindo. Enfim, amo essas coisas.

3. BuzzFeed



Quem é que nunca viu um vídeo do BuzzFeed? Tenho certeza que você já viu algum pelo facebook. O legal do canal deles é que existem muitas variações: BuzzFeed Yellow, acho que é sobre coisas constrangedoras, BuzzFeed Violet, que é mais sobre o cotidiano (um dos meus favoritos), BuzzFeed Blue e deve haver outros pelo YouTube. Curiosidades não é bem o tema central, mas são vídeos bem aleatórios. Do tipo: homens usam sutiã por uma semana, homens testam as dores do parto, eles provam comidas estrangeiras, alguns hábitos do dia-a-dia, que você fica "ah meu Deus, eu também faço isso!"... Enfim, é bem aleatório e mega interessante.

 O ruim é que eles são todos em inglês, e ás vezes aparece alguns legendados pelo facebook, porém não os tenho salvos aqui :( Só digo que é um canal que vale muito a pena, mesmo! Quem só entende o básico do inglês, consegue acompanhar o que se passa nos vídeos. E não é tão difícil assim entender, já que as reações deles são bem expressivas e os participantes/atores/vloggers, são maravilhosos.

Espero que vocês tenham gostado e que vocês vão ver cada um dos canais, porque são um dos meus favoritos e eu simplesmente amo assisti-los. Pretendo indicar 3 canais com temas diferentes todo mês. Mas como já disse, estou fazendo ensino médio e curso técnico, ou seja, estou sem tempo para nada. Porém, vou tentar dar meu jeito. Jessie também esta ajudando demais <3 Obrigada :)

Ah, já seguiu o instagram do blog? Lá é postado coisas variadas, todos os dias: @xcoisasdotipo

Desculpem, novamente.
Fiquem bem,
e até.

Me acompanhe nas Redes Sociais

14 de ago de 2015

Um Pouco Sobre Magcon



Hey, amores da minha vida! Aqui é a Jess e um fato sobre mim é que eu tenho milhares de ídolos. Eles se dividem em cantores, atores, bandas, viners, séries e livros. Essa minha obsessão por pessoas começou em 2009 com um certa garota do Tennesse, mas não é sobre isso que nós viemos falar hoje. Em fevereiro de 2014, eu caí em mais um truque do meu coração. Uma amiga me mandou um vine de um garoto cantando Little Things da One Direction, ele era muito bonitinho e tinha uma voz de anjo. Foi paixão a primeira vista, eu só não esperava que junto dele viessem mais 12 pessoas. Doze na teoria por que teve muito mais gente que veio graças a essa brincadeira do destino.

Magcon foi uma turnê feita por viners para conhecerem suas fãs. Organizada por Bart Bordelon, que juntou um grupo de viners (pessoas que fazem vídeos para o aplicativo Vine) e fez uma convenção de Meet and Great. Entre essas pessoas estavam Nash Grier, Cameron Dallas, Jack and Jack, Aaron Carpenter, Taylor Caniff, Shawn Mendes, Matthew Espinosa, Carter Reynalds, Mahogany Lox, e depois se juntaram Hayes Grier e Jacob Whitesides. Esses eram os viners oficiais, mas os eventos também tinham participações de Sammy Wilkinson, Willie Jones (ex participante do The X Factor USA), entre outros. Em março de 2014 aconteceu o fim da magcon. 

Esse fim foi uma grande confusão cheia de acusações e coisas sem explicação. Após esse fim, foi anunciada a ida de Nash e Hayes Grier, Cameron Dallas e Carter Reynalds para 26MGMT e o começo da The FAM Tour, ela funcionou como a magcon e foi uma turnê feita pelos meninos organizada por Chad Grier (pai do Nash e do Hayes). 



Cada um seguiu o seu caminho, mantendo a promessa de continuarem sendo amigos. Mesmo que no meio do caminho algumas coisas tenham acontecido, várias brigas e confusões, mas nada que não fosse resolvido. Em junho de 2015, Cameron Dallas tomou a iniciativa de trazer a magcon de volta. Mas poucos aceitaram voltar, já que a maioria tem uma carreira encaminhada e outros negócios em mente. 

Quem aceitou voltar foi Carter Reynolds, Taylor Caniff, Aaron Carpenter, Mahogany Lox e outros que não estavam na primeira tour aceitaram o convite como os gêmeos Ethan e Grayson Dolan. Não tem previsões para essa tour acontecer, nem se ela realmente vai acontecer, mas se acontecer ela tem potencial de vir ao Brasil.

Com esse volta e não volta, muitos começaram a construir carreiras além do Vine como:



Shawn Mendes: De todos o mais bem "sucedido". Hoje em dia Shawn abre os shows da turnê 1989 da Taylor Swift, com as músicas do seu album HandWritten (está a venda na saraiva, se alguém quiser pode me dar de presente hahaha). Lannçado em abril de 2015 pela Island Records, esse album o consagrou como o artista mais jovem a chegar ao topo da Billboard 200. Seus videoclipes tem milhões de acessos no youtube e ele venceu o prêmio de Web Star Music do Teen Choice Awards de 2014. Shawn, nasceu em Toronto no Canadá, no dia 08 de agosto de 1998.



Jack and Jack: A dupla de melhores amigos Jack Johnson e Jack Gilinsky teve seu ep Calibraska lançado em julho de 2015 e chegou em #1 no Itunes de vários países. O clipe de seu novo single California está com mais de 700 mil visualizações no youtube. A dupla que nasceu em Omaha (Nebraska) nos Estados Unidos, se conheceu no jardim de infância e são melhores amigos desde então. Jack Johnson nasceu em 24 de março de 1996 e Jack Gilinsky em 10 de setembro de 1996.



Cameron Dallas: Um dos mais famosos da antiga tour. Cameron está realizando seu sonho de ser ator. Ele terminou de gravar o seu segundo filme The Outfield que ainda não tem data de estreia. Seu primeiro filme chamado Expelled foi lançado no fim de 2014 e foi dirigido por Alex Goyette. Dallas, têm mais de 7 milhões de seguidores no instagram e mais de 5 milhões no twitter. 

Além de ator, ele também se mostrou cantor lançando duas músicas esse ano. A primeira intitulada She Bad e a segunda All I Want em parceria com Daniel Skye. Seu canal no youtube faz muito sucesso acumulando mais de 3 milhões de inscritos. Cam nasceu em Chino Hills (Califórnia) nos Estados Unidos em 8 de setembro de 1994.



Nash Grier: Ele acabou de filmar The Outfield, seu primeiro filme, com Cameron Dallas. Lançou com seus amigos Cameron Dallas, Hayes Grier e Carter Reynalds uma linha de roupas para a marca Aeropostale. Nash, é um dos viners mais famosos, com 4 milhões de seguidores no twitter, 8 milhões de seguidores no instagram e mais de 4 milhões de inscritos no seu canal do youtube. Seus vídeos têm milhões de visualizações, alguns ultrapassando 7 milhões de acessos. Ele nasceu em Greensboro (Carolina do Norte) nos Estados Unidos em 28 de dezembro de 1997.

Os demais acumulam milhares de seguidores nas redes sociais e continuaram com vines e vídeos no youtube. Além de continuarem com as diversas turnês que surgiram, a mais popular delas é a DigiTour. Taylor Caniff veio ao Brasil com a Oddrhyme Tour em maio desse ano (e eu não fui, todos choram).

Mesmo cheio de polêmicas e brigas, os viners continuam com uma ótima relação. Espero que em um futuro não tão distante todos tenham conseguido feitos incríveis e que venham para o Brasil (sem ser apenas Rio de Janeiro e São Paulo). 



Com ou sem Magcon, eles continuam um estouro e movem milhões de fãs. O twitter foi invadido por magcults (fãs da Magcon) de todo canto e a old magcon sempre vai estar em nossos corações. Se você ainda não conhece eles, é só jogar o nome no youtube e vão surgir milhares de vídeos desde a old magcon, até hoje.

Esse foi o post de hoje, foi um prazer apresentar um pouquinho dos meus amores. Mesmo que eu não tenha falado de todos (isso teria dado um post enorme), todos eles têm um espaço especial dentro de mim, além dos outros viners que eu amo. Resumindo é muita gente, mas tem Jess para todo mundo. 

Espero que tenham gostado, o post era só sobre o Shawn, mas eu achei injusto falar apenas dele sendo que a magcon inteira faz parte da minha vida e da dele também. Muita gente não sabe o que significa e só ouve falar, eu tentei explicar mais ou menos o que era para vocês e acho que deu para entender. Qualquer dúvida é só me chamar no twitter. Ou aqui nos comentários. Até a próxima.

Ps. Só queria avisar que agora a Barbara esta fazendo curso técnico e o tempo disponível fica um pouco mais apertado. Mas faremos de tudo para deixá-los atualizados.

Beijinhos da Jess xx

Acompanhe nas Redes Sociais

7 de ago de 2015

As 4 Melhores Fanfics do Momento



Oi, aqui é a Jess! Todo mundo aqui sabe o que é fanfic certo? Se não sabe, a Babi deve ter feito algum post sobre isso. Eu normalmente fico com a parte literária do blog, mas a Barbara conversou comigo e decidimos ampliar as minhas visões, então hoje irei falar de fanfic. A minha relação com elas já dura uns 4 anos e eu já li de tudo. Hoje vou indicar para vocês quatro fanfics que eu estou lendo e que todos deveriam ler, e que estão sendo as melhores para mim.
Mas já vou avisando, elas estão todas hospedadas no site Fanfic Obsession (fanfics interativas) e eles proíbem passar link direto, então vocês podem procurar no google, e elas são todas restritas. Se você não gosta, experimente, não vai se arrepender.

1. 10 Aulas de Sedução 
Por Má Marche

Descrição: Bianca Caproni é pequena, desengonçada, tímida e nerd de carteirinha. Isso, claro, dificulta bastante sua vida amorosa. Cansada de ser constantemente taxada de segunda opção pelo melhor amigo Sam – por quem é apaixonada -, a garota decide gritar por ajuda.
É em Theo Versolati que ela encontra a salvação.
O garoto é alto, forte e tem jeito com as mulheres. Entende do assunto “conquista” como ninguém. E quando Bianca pede sua ajuda, ele, apesar de relutante, aceita e transforma as pequenas dicas em verdadeiras aulas de sedução.
Só existe um porém: O que acontece se a aluna seduzir o professor?
Gênero: Romance

O nome na descrição é só um exemplo, a fic é totalmente interativa. Ela foi finalizada mês passado (chorando) e eu acompanhei desde a metade. É uma fanfic maravilhosa e um pouco picante, diga-se de passagem, (quem não gosta é só pular essas partes). Vale muito a pena ler essa história, se você for tipo a principal (eu sou muito parecida com ela, mas um pouco menos) e se não for é sempre bom ter novas experiências.

2. Behind The Scenes 
Por Cah Sodré

Descrição: Ela cresceu em frente às câmeras. Ele descobriu o sucesso repentino na adolescência. Ela é a queridinha da América. Ele vive nas páginas policiais. Juntos, os dois formam o casal mais quente dos seriados hollywoodianos – pelo menos dentro das telas. Mas será que é isso que acontece por trás das câmeras? Quando alguém descobre um segredo importantíssimo, tudo pode mudar.
Gênero: Comédia Romântica

Essa é única que não é restrita da lista, mas que tem a mesma intensidade das outras. O fandom dessa fic é do Mcfly, mas você pode ler com qualquer um que não interfere em nada, já que ela é interativa. Eu demorei um pouco para ler essa fic por que ela é famosa nesse universo e eu tenho receio de histórias muito conhecidas. Ainda bem que a dona Barbara me convenceu a dar uma chance á história. E hoje eu já li quase toda a fic e ela ainda está nos primeiros capítulos.

3. His Best "Lesbian" Friend 
Por Rooxy


Descrição:  Um aluno novo interessante, um boato antigo e um mal entendido grave. Uma amizade cheia de segundas intenções, um amor escondido e evitado, uma peça de teatro, um clube de dança e um concurso de bandas… Inseguranças, surpresas e muito rock’n’roll. E você pensando que o mais difícil seria passar na faculdade dos sonhos. A insanidade sorri, sob pressão estamos quebrando. Não podemos dar a nós mesmos mais uma chance?
Gênero: Romance/Comédia/Drama

Eu acompanho essa fic há algum tempo e sou realmente apaixonada por ela. Mesmo com todas as quedas do site, eu sempre a acompanho e estou procurando por capítulos novos e tudo sobre essa fic. Os pp's são meus amorzinhos e todos os personagens também. A fanfic não tem fandom, então você pode ler com quem quiser e aproveitar essa história maravilhosa da melhor maneira possível.

4. Fuck Me
Por Safe

Descrição: Duas pessoas aparentemente de mundos opostos, mas que no fim das contas, tem mais coisa em comum do que aparentam. Os dois sofreram um trauma no passado e escolheram assumir personagens para encobrir suas dores. Ela, entrou na pele de uma patricinha mimada. Ele, assumiu uma pose presunçosa e autoritária. Mas as máscaras começam a cair quando um começa a levar o outro ao limite.
Tudo o que ele quer, é que ela diga sim a ele.
Tudo o que ela quer, é que ele diga sim a si mesmo.
Gênero: Romance/Comédia

Uma das melhores fanfics que eu já li. Ela pode ser bem forte e o pp pode ser bem abusivo. Mas o jeito que ele amadurece durante a fic é lindo. A história e tudo que acontece vai crescendo e construindo algo forte e você consegue perceber esse amadurecimento na história e nos personagens. A fanfic não tem fandom e é totalmente interativa. De todas, é a que eu mais recomendo, por ser uma história incrível, com uma ótima escrita e personagens adoráveis.

Essas são as fanfics que eu estou lendo, têm outras que eu não acho tão impactantes e boas quanto essas. Espero que vocês leiam e me contem o que acharam. E se já leu conta também, é sempre bom saber opiniões diversas. Espero que vocês tenham gostado, o mês ta cheio de posts incríveis para vocês. Até a próxima.


Beijinhos da Jess xx

  Acompanhe nas Redes Sociais